Minicursos

 

Informamos que as inscrições para os Minicursos estarão abertas a partir do dia 15/03. Os interessados poderão fazer a inscrição, pelo site do evento, usando o seu login e senha.
 

MINICURSOS E OFICINAS

 

       1.     Leitura e Escrita em Aulas de Ciências

      Responsável: Dra. Tatiana Galieta (FFP/UERJ)

Ao partirmos do pressuposto de que a leitura e a escrita são constituintes do processo de ensino e aprendizagem e que, portanto, se encontram presentes nas aulas de todas as disciplinas escolares consideramos fundamental promover um espaço no qual as práticas de leitura e de escrita presentes em aulas de ciências e biologia sejam alvo de discussão. Para tanto, propomos a realização de um minicurso no qual os professores de ciências relatem e reflitam sobre suas práticas docentes no que tange à circulação de diferentes tipos de textos que são lidos e produzidos em suas aulas. Com isso, pretendemos discutir as potencialidades de uso de textos de diferentes gêneros para o desenvolvimento de habilidades de leitura e escrita em aulas de ciências e biologia. Como suporte teórico para as discussões serão utilizadas como referências textos que abordam a leitura e a escrita desde uma perspectiva discursiva, bem como a perspectiva de alfabetização científica.

 

 

      2.     Elementos Básicos de Sistemática Filogenética

Responsáveis: Dra. Rosana Souza Lima e Dr. Luís Fernando Marques Dorvillé (FFP/UERJ)

O minicurso tem como objetivo trabalhar de forma prática os conceitos básicos da Sistemática Filogenética a partir da construção de cladogramas que procuram representar o parentesco entre os diferentes grupos de seres vivos. Compreensão dos processos básicos de polarização de caracteres e construção de matrizes de caracteres a partir de exemplos práticos. Conversão de matrizes em cladogramas e vice-versa. Vantagens didáticas do emprego desse processo para o ensino de Zoologia e Botânica na Escola Básica.

 

 

      3.     O uso da Divulgação Científica no Ensino de Ciências

      Responsável: Dr. Marcelo Rocha (CEFET/RJ)

A divulgação científica faz parte das ações de popularização da ciência, proporcionando ao público interagir com o conhecimento produzido pelos cientistas. Nesse sentido, esse surge como um campo de trabalho por meio do qual os conhecimentos são difundidos sem objetivos didático-pedagógicos e sem a finalidade de formar especialistas, nem tampouco aperfeiçoar os peritos em sua especialidade. Diante das novas concepções de ensino, cujo objetivo é formar cidadãos críticos e atuantes na sociedade, os textos de divulgação científica podem se constituir um importante recurso didático, que complementa materiais tradicionais como, por exemplo, o livro didático.

 

 

      4.     Aprendizagem Significativa em Mapas Conceituais 

Responsável: Dr. Marco Antonio Moreira (UFRGS)

O objetivo do minicurso é o de descrever a  a teoria da aprendizagem significativa, de David Ausubel, fazendo uso de uma estratégia desenvolvida por Joseph Novak e fundamentada, ou originada, na própria teoria: o mapeamento conceitual. Concomitantemente, o texto procura evidenciar a potencialidade dos mapas conceituais como estratégia para facilitar a aprendizagem significativa, em situação formal de ensino, como instrumento de avaliação da aprendizagem e de análise do conteúdo curricular.

 

 

      5.     Modelagem de Sequências de Ensino Investigativo

Responsáveis: Nelson Barrelo Junior (USP) e Ana Carla Lima Fonseca Coutinhi (UFF)

Neste curso pretendemos apresentar aos participantes perspectivas de um ensino por investigação. Voltado a estudantes de física e demais interessados em práticas de sala de aula que se destinem a promoção de argumentação pelos alunos. Objetivos: Promover perspectivas de um ensino por investigação; Conhecer alguns pressupostos teóricos e metodológicos que envolvem a estruturação de uma sequência de ensino investigativo; e, elaborar uma proposta de sequência de ensino investigativo.

 

 

      6.     Ensino da Morte: Questões para o Ensino de Ciências e da Saúde

Responsável: Dra. Eliane Brígida Falcão (NUTES/UFRJ)

O tema morte é um dos tabus contemporâneos e está praticamente ausente dos contextos da educação. O saber lidar com a morte humana, encarada não só como fenômeno biológico mas também como fenômeno existencial o qual carrega complexo conjunto de símbolos e afetos, também estrutura a convivência social. Os jovens (ensino médio e universitário) mostram interesses em torno deste tema que, frequentemente, aparece em pesquisas associado com questões de saúde e preservação da própria vida. A partir de referências das ciências naturais, sociais e humanas serão abordadas questões relativas

ao tema da morte no contexto do ensino de ciências e da saúde.

 

 

      7.     Estudos sobre Análise Fílmica, Produção e Recepção na Pesquisa em Educação em Ciências. 

Responsável: Dr. Luiz Augusto Rezende Filho (NUTES/UFRJ)

O curso pretende apresentar bases teórico-metodológicas para a pesquisa sobre audiovisual na Educação em Ciências em três dos seus campos: análise, produção e recepção de obras audiovisuais. Pretende-se apresentar o potencial de pesquisas que aportem os referenciais teóricos da Comunicação para o campo da pesquisa em Educação em Ciências.

 

 

      8.     Descobrindo Ciências em Letras de Músicas

Responsável: Prof. Marcelo Diniz Monteiro de Barros (PUCMG e IOC_FIOCRUZ)      

As letras de músicas populares brasileiras como tecnologias educativas e sociais para a promoção do ensino de ciências e de biologia. Os fascí­culos da série "Com Ciência e Arte na Escola"© e as possibilidades do trabalho com a música em aulas de ciências e biologia.

 

 

      9.     Metodologias em Educação Ambiental

Responsável: Dr. Alexandre de Gusmão Pedrini (UERJ)

Apresentar as principais características dos paradigmas metodológicos da EA em prática no Brasil: a) EA critica; b)EA  freireana; c) EA e complexidade; d) EA e Ecopedagogia; e) EA na perspectiva da CTSA. Características dos modelos qualitativo e quantitativo de operar na EA. Perguntas fundamentais para a formulação básica de uma proposta de intervenção pela EA num contexto qualquer. Literatura básica comentada. Estudo em grupo com relator.

 

 

     10.  Educação em Saúde: novas perspectivas para o Ensino de Ciências

Responsável: Tiago Venturi, Iasmine Pedroso, Karem Hansen e Adriana Mohr (UFSC)

A Educação em Saúde origina-se do encontro de duas grandes áreas: a educação e a saúde. Estas áreas, muitas vezes, apresentam objetivos, conteúdos e metodologias distintas. Desta forma, a Educação em Saúde apresenta grande diversidade de compreensão, conceitos, objetivos e práticas. Via de regra, a Educação em Saúde na escola apresenta um caráter preventivo, centrado nos aspectos fisiológicos e anatômicos do corpo, nos processos de saúde-doença e de mudança de comportamento. Caráter este, apresentado pelos serviços de saúde em campanhas emergenciais de saúde pública, que negligencia os aspectos e objetivos pedagógicos quando adotado na escola. O objetivo principal deste minicurso é subsidiar teórico-metodologicamente um debate sobre o tema Educação em Saúde na escola, especificamente no Ensino de Ciências/Biologia. Serão discutidos: 1- Educação em Saúde como Tema Transversal; 2- As novas perspectivas para a Educação em Saúde na escola; 3- As contribuições da Alfabetização Científica para a Educação em Saúde. A metodologia será desenvolvida através de problematização da forma como a Educação em Saúde vem sendo desenvolvida; discussão, aproximação e reflexão de subsídios teórico-metodológicos que permitam analisar e compreender o verdadeiro papel do Professor de Ciências/Biologia e os objetivos da Educação em Saúde na escola, através de articulações com a Alfabetização Científica; assim como a realização de proposições didáticas pelo grupo voltadas para a ação pedagógica em Educação em Saúde no Ensino de Ciências/Biologia.